PERVERSO X HISTÉRICA


 Freud destacou em seus estudos que tanto as fantasias do neurótico como as do perverso são as mesmas, contudo o que as diferenciam na questão pulsional será o dique (censura)  que se interpõe para o escoamento da pulsão no neurótico, ou seja, para haver o escoamente do desejo, este virá disfarçado, via sintoma. Já no perverso este dique (censura),será mais fraco ou mesmo inexistente .

Enquanto a castração para o neurótico é algo simbólico, para o perverso é algo real. Assim o fetiche é um substituto para o pênis que antes acreditou que a mãe possuía e é através deste fetiche que o perverso terá a percepção  de que a mãe tem seu pênis.

O fetiche é um mecanismo para que o perverso dê conta do que não consegue simbolizar, pois a castração é compreendido como algo real. De outro modo, o perverso crê na feminilidade fálica e o fetiche tem como finalidade ocultar a falta, que poderá ser direcionada a qualquer coisa, assim faz da castração uma forma de gozo.

A verdade sobre o gozo que o perverso tem é um engodo, mas poderá prender ao outro na armadilha da fascinação.

Há uma divisão no ego do perverso que aponta para a mãe que antes tinha um pênis  o qual seu pai castrou. Esta afirmação trás para o perverso, uma mãe mutilada, lhe causando horror e assim   todo desejo o coloca em perigo.

Já a histérica, quando percebe que a mãe não tem falo, ela consegue dividir seu mundo pueril entre fálicos e castrados e assim quando passa pelo Complexo de Édipo compreenderá a diferença homem e mulher.

A solução histérica para o complexo de castração é “falicizar o corpo não genital”. A histérica não tem o falo, ela é o falo.

Tanto para o perverso como para a histérica estão tentando lidar com a questão da castração. Ambos têm uma dificuldade em lidar com a falta.

A feminilidade seria o contraponto da falicidade, é através da feminilidade que se marca a diferença entre os sujeitos. A instauração da feminilidade se relaciona com uma aptidão para a renuncia e exige luto, já a mediação do falo é usado para ofuscar a vivência do desamparo.

Ao se tornar sujeito desejante,está implícito o registro da falta, da dependência do outro que não se pode controlar,destemodo, o desejose opõeai falicismo.

Por tentar se manter no falicismo, tanto perverso quanto histérica terão que se defender de perceber oprópriodesejo.




REFERÊNCIA

FREUD, “Sigmund (1905) “Três Ensaios para uma Teoria Sexual” : Obras Completas vol. VII , Edição Standard Brasileira, Rio de Janeiro, Imago, 1996.


FREUD, Sigmund (1927) “Fetichismo”: Obras Completas vol. XIX, Edição Standard Brasileira, Rio de Janeiro, Imago, 1996.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÍNDROME DE PETER PAN

COMO ANDA SEU HORÓSCOPO HOJE!!!

PAU QUE NASCE TORTO MORRE TORTO?